Luiz Márcio Malzone
Professor e monitor da ABS-Rio

Inspiración Valdemar Tempranillo Branco – 2013 – 13% (casta TB)
Bodegas Valdemar – Rioja – Espanha

A bodega foi fundada em 1889 por Joaquin Martinez Bujanda e mantém-se com a família até hoje. Possui mais de 400 ha nas três áreas da Rioja e, além de castas tradicionais, procurou resgatar variedades antigas como Mazuelo e Malvasia. São quatro ramos de negócios, sendo o Inspiración de uma de suas bodegas. Este é o primeiro vinho feito com a Tem branca, uma mutação da Tem tinta, que é encontrada somente na Rioja. As uvas são provenientes do vinhedo Alto Cantábria, um altiplano do Rio Ebro com 12,5 ha plantados em 1975, sendo a colheita das microparcelas feita no início de setembro, manualmente, com seleção prévia. A colheita diária é depositada em câmaras frigoríficas, onde se permite encubar as uvas à temperatura desejada para a fermentação, com melhor extração de aromas e cor. As uvas são fermentadas em tanques de aço inox a 16º C e maturam também nesses tanques sobre as lias, sendo o vinho engarrafado somente em janeiro do ano seguinte. Como resultado, combina intensas notas de frutas tropicais, como abacaxi, toques cítricos e grapefruit, com uma exuberante presença na boca. Branco potente, que tem sugestão de guarda de até cinco anos e harmoniza com vários pratos, como arroz negro com camarões, carpaccio, saladas de frutos do mar, ostras, entre outros. Melhor se servido entre 6º e 8º C.

www.valdemar.es 

20160707_malzoneA

Comentários dos degustadores: De cor muito bonita, apresentou um leque de aromas razoável, não muito aberto, de boa intensidade e persistência (nota 19). No gustativo, apresentou um excelente equilíbrio e boa qualidade de aroma de boca, mas a intensidade e a persistência foram somente razoáveis (nota 53 no gustativo). Vinho muito fresco que deixou um agradável final de boca. Nota média do grupo: 88, igual à do monitor.

Finca Valdeguinea Etiqueta Negra 15 meses – 2010 – 13,5% (casta Tem)
Finca Valdeguinea – Rioja (Alta) – Espanha

A Finca é resultado da dedicação de mais de um século pela família Sáenz-Comunión na região. São 25 hectares plantados em cinco vinhedos na localidade de El Cortijo, na Rioja Alta, perto de Logroño, a 600 msnm. O local era um antigo caminho romano e o nome Valdeguinea é originado de “caminho/vale dos equinos”. O vinho é feito com uvas selecionadas de vinhedos de 100 anos, plantados em solos argilo-calcários, em ladeiras de montanhas, com excelente exposição solar. A colheita é manual, com rigorosa seleção das uvas. As uvas são recepcionadas na adega, onde são submetidas a nova seleção, desengace e prensagem. Procede-se a uma maceração pré-fermentativa a frio durante seis dias a 8 °C. A fermentação alcoólica é feita com controle de temperatura a 30 °C, com remontagens contínuas e delestagem quando necessário. Maceração com as cascas durante sete dias, seguida de fermentação malolática. O vinho passa 15 meses em barricas novas de carvalho francês e americano. Vinho de cor intensa, rubi acerejado, com aromas complexos e frescos, muito expressivo e bem definido, com notas tostadas. Na boca, apresenta grande estrutura, com taninos de grande qualidade. Predomina o elegante caráter frutado, com boa persistência, retrogosto amplo e muita elegância, resultado dos 15 meses em que passa em barricas. Um vinho encorpado que se recomenda deixar três anos em repouso antes de degustar. Foram produzidas somente 15 mil garrafas. Servir de 16º a 18º C.

www.fincavaldeguinea.net

Comentários dos degustadores: a cor deste vinho é muito atraente, um rubi médio, de leve opacidade, muito brilhante. O exame olfativo indicou frutas vermelhas maduras, frescor do alcaçuz, especiarias e uma intensidade e persistência muito boas, recebendo avaliação 21. Em boca, um vinho de médio corpo, bastante elegante, que apresentou um pouquinho mais de tanino do que devia, mas um aroma de boca de excelente qualidade, intensidade e persistência. Faltou, contudo, um pouco de corpo. Final prolongado, deixa a boca enxuta com aromas de frutas. Média 90,13 do grupo e 91 do monitor.

20160707_malzoneB

delestagem é uma técnica de fermentação e maceração em frio usada na elaboração de tintos e consiste em gentilmente extrair os componentes fenólicos através da oxigenação do suco para reduzir a concentração de taninos e aumentar a de esters, componente chave para o caráter frutado e assim obter um vinho mais suave, menos adstringente e mais frutado. A delestagem consiste em drenar completamente o líquido e o chapéu de componentes sólidos desce suavemente. Retiram-se então as sementes, portadoras dos taninos mais ásperos e se devolve o líquido à cuba. O processo é repetido diversas vezes ao dia. A outra técnica é a da rotação dos barris com as uvas dentro em dois trilhos para homogeneizar o vinho.

Amaren – Ángeles de Amaren Tempranillo y Graciano – 2008 – 14% (castas Tem/Gra)
Bodegas Amaren (Luis Cañas) – Rioja (Alavesa) – Espanha

O nome Amaren (“la madre” em idioma basco) foi uma homenagem de Juan Luis Cañas em 1995 à sua mãe Ángeles, esposa de Luis Cañas, conhecido vinhateiro, que com ele trabalhou no campo por décadas na Bodegas Luis Cañas. E em 2009 Juan Luis fundou sua própria vinícola, que igualmente recebeu o nome Amaren e que hoje possui 52 ha plantados. A Rioja Alavesa possui certa influência oceânica, apesar da proteção da Serra da Cantábria contra as chuvas, com alto índice de insolação e baixa pluviosidade, com uma altitude média de 475 msnm. Os solos são pobres em fertilidade, com fina cobertura argilosa sobre pedra calcária. Os vinhedos da tempranillo têm em média idade superior a 40 anos. A vindima é manual e iniciada em outubro, com grau perfeito de amadurecimento fenólico, álcool e acidez. É procedida uma maceração a frio por sete dias e a fermentação alcoólica, por casta, ocorre em cubas de inox a 26ºC, com uma posterior maceração pós-fermentativa. Da tempranillo vem a fruta, da Graciano as especiarias. O vinho é então trasfegado para barricas novas de carvalho francês e americano, onde passa pela malolática e inicia seu amadurecimento, onde permanecerá por 16 meses. Adicionalmente, fica seis meses em garrafa antes de sair ao comércio. De cor rubi intenso, evidencia um olfato rico em notas de frutas negras e vermelhas (amoras, framboesas), tabaco, cravo, alecrim, especiarias doces e tons balsâmicos. Vinho robusto, moderadamente tânico e fresco, que pode ser bebido ou guardado por 10 anos. Muito macio na boca, com taninos sedosos e longa persistência, com especiarias no final de boca. Servir a 18º C, como acompanhamento de cordeiro lentamente assado em fogo de chão, guisados espanhóis com carne de caça, lasanha ao ragu trufado de perdiz, jamon ibérico e manchego em média cura.

www.bodegasamaren.com

20160707_malzoneC
À esquerda, La madre Ángeles, Ao alto, Juan Luis e Luis Cañas


Comentários dos degustadores:
vinho rubi escuro, opaco, muito brilhante. Seus aromas são muito agradáveis, com abertura de um bom leque, indicando frutas escuras bem maduras, pimenta do reino, especiarias e um delicioso frescor de mentolado, recebendo nota 21 no exame olfativo. No gustativo, um ótimo equilíbrio, muito fina a qualidade do aroma de boca, com boa intensidade e excelente persistência, sendo-lhe atribuída uma avaliação 55. Um vinho muito agradável, pronto para beber e que mostra boa capacidade de guarda. Certamente um bom companheiro para pratos da culinária espanhola. Recebeu nota média 91,75 do grupo, sendo 92 do monitor.